As raizes da importância da moda na cultura afroamericana

Em nenhuma cultura a moda foi maior simbolo de sobressalto social do que na cultura afroamericana. Esta tem nas raízes da sua historia e na identidade da sua gente a importância de como se apresentar ao mundo. A religião teve uma importância primordial, desde sempre , quando se ia a igreja se devia ter um aspecto distinto, vestir-si de uma certa maneira, aparentar ao melhor. O termo “vestido do domingo” nasceu durante a escravidão, quando um patrão para ser considerado um bom cristiano tinha que garantir ao escravo almenos um vestido elegante para ir a igreja. E nas igreja o coral gospel era a principal atração. O gospel deu a luz ao al jazz, blues, r’b,rap, hip hop e dali nasce essa forte união entre a musica e o estilo na cultura afroamericana, a moda é o simbolo da superaçao social e grupo de filiação; ou de distinguindo entre gangues ou fazendo entender com o look o bairro de proveniência a cultura black americana produziu tendencias e mistificou marcas.

 

New York: uma enorme passarela

Nenhuma cidade foi mais representativa deste processo do que New York, uma enorme passarela onde bairros como Brooklyn, Harlem, Bronx, Queens disputavam entre eles quem era mais estiloso e influenciava mais as massas. Na nova cultura nascente do hip-hop a regra principal do fashion era a ruptura das regras e criar identificação.
Livres das regras deram liberdade a criatividade, colorando com spray as jaquetas e moletons, escrevendo os nomes nas laterais dos jeans. Criando iconas como o Shirt Kings( os personagens de desenhos animados nas camisetas de Jeremy Scotty são “homenagens” a eles) ou lendas como Dan Dapper, que reproduzia os logos de Louis Vitton e Gucci e criava seus próprios modelos, muitas vezes seguindo os pedidos fantasiosos de seus clientes e clandestinamente antecipando tendencias que Gucci e Louis Vitton teriam realizado somente 10, 15 anos depois.
A cultura Hip-hop iconizou vestidos e marcas, os tênis viraram status symbol ou marcas como Polo de Ralph Lauren, que nao eram vendidas nos bairros da periferia, para os terem queria dizer que um frequentava a quinta avenida( ter ficado rico) ou compralas através do “boosting”. Vestir certas marcas te ajudava a vencer a insegurança da propria pobreza, dando orgulho do proprio modo de vestir. Tommy Hilfingher no inicio ia a bairros como Bronx ou Queens e distribuia vestidos, pôs sabia que aqueles rapazes estilosos depois teriam feito de tudo para reaver aquele tipo de vestido e teriam tambem criado trends e contaminado outros rapazes até chegar aos rapers que os teriam vestido nos seus vídeos musicais na MTV, ou em telefilmes como Bel Air, tornando-si tendencias mundiais.
A moda do gueto influenciou mercados, genereou milhões, fez nascer milhares de marcas de moda urbana. Pegou a moda europeia e mixou com a moda de rua. Até invadir as nossas vidas. Não tem nada de inovativo em vestir tênis com vestidos elegantes e nenhuma revolução nos desfiles de Jeremy Scott, nada que não se veja em uma velha foto do  Apollo Theater.

Aconselho ver o documentario ” Fresh Dresses

 

Blaxploitation

Teve um tempo em que os heróis se vestiam cores acesas, calças boca de sino, sapatos exagerados… armados até os dentes, campioes de Kung Fu, maravilhosos e todos rigorosamente black.
O cafetao super duro de SUPERFLY, a sexy agente Cleopatra Jones, os durões que lutavam arte marciais interpretados da Fred Williamson e Jim Kelly… quantas vezes admirei a beleza de Tamara Dobson e Pam Grier, que depois se tornou musa de Tarantino, mas, para mim será eternamente Foxy Brown
Que prazer ver finalmente brancos malvados, ávidos e incapazes, pegos a chutes da herois que se vestiam com um look todo deles, com uma linguagem da estrada, todos assim, cool, sexy, novos… orgulhosos da suas identidades.
Era um tipo de cinema talvez ingenuo e que acabou se tornando cheio de esteriótipos, mas, no seu inicio, muito vivo, rico de cores, iperviolento e divertidíssimo : a Blaxploitation.
Amei o excesso, a exageração… as musicas que ficam na cabeça como o refrão de Shaft… algo de irreptivel, magico, que conservo na minha videoteca dos tesouros.

Vestido: Villa Park

5b 6b 8b

 

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês

You May Also Like

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *